Para começar os trabalhos da manhã, Marcelo Ferreyra (IGLRHC-Argentina) apresentou vídeos da época de uma disputa política que ocorreu na Argentina no início da década de 1990, em que membros do coletivo LGBT conseguiram que o cardeal de Buenos Aires se retratasse publicamente por ter ofendido ou agredido “os homossexuais” com suas declarações irônicas.

Logo em seguida Lohana Berkins começou seu seminário “Estratégias de comunicação”. Para começar deu vários exemplos dos problemas mais prementes na hora de visibilizar a agenda do movimento LGBTI junto aos veículos de comunicação, o problema da representatividade e a falta de comunicação na comunidade LGBTI. Para trabalhar sobre isso, propôs uma dinâmica de trupo em que as e os participantes apresentaram (anonimamente) seus preconceitos de dúvidas em relação às outras ientidades que formam o bloco LGBTI. A partir disso, entre todas e todos, tentou-se chegar a um consenso e desmitificar os preconceitos.

Na parte da tarde, Lohana propôs realizar uma simulação de um programa televisivo para treinar, na prática, como levar o tema da diversidade sexual aos debates públicos de forma a otimizar esses recursos, o tempo de exposição e avaliando os riscos. Finalmente, contou sobre boas práticas na república Argentina, mencionou o trabalho de meios de informação alternativos e citou estratégias de intervenção estética e política.

institute photo